Translate

sexta-feira, junho 29, 2007

Parabéns a você…


O Dor no Joelho comemora em Julho 3 anos de existência. Depois de muitas insistências do camarada Pedro lá resolvi aderir ao Universo dos blogs. Com muito ou pouco tempo, o que é certo é que ele tem sobrevivido e, pela terceira vez – novamente por insistência do Pedro e também do Tiago – mudei o template.


Espero que daqui a três anos volte novamente a falar do meu blog. Será sinal de que ele ainda terá alguma utilidade (bom, pelo menos agora tem uma playlist).

Um bem haja!

Dedicado a todos aqueles que atravessam o deserto

domingo, junho 24, 2007

Festas de S. João da Talha

Ontem fui com o meu irmão e os meus sobrinhos às festas de S. João da Talha. Como sempre, neste tipo de festas são convidados artistas de renome internacional. Desta fez, o organizador da festa, de seu nome Xico Dias (isto explica muita coisa) convidou Rebeca.

Ora as coisas até estavam a correr dentro da normalidade, a artista cantava aquelas musicas muito bonitas, onde se intitulavam temas como "Chega pra lá ò meu, o que tu queres sei eu" até que ela resolve cantar a seguinte musica:

Ai para com isso
não apertes tanto que não é preciso

Quer dizer, há coisas que já ultrapassam o bom senso. Ela gritar com as pessoas para baterem palmas ou agradecer ao pai o sucesso da sua carreira, um gajo ainda aguenta, agora uma letra destas assim, sem mais nem menos???

Mas depois ela lá acrescentou:

Ai para com isso
não apertes tanto que não é preciso
Se queres esta dança
tens de ter juízo

Fica feito o apelo Rebeca.

sábado, junho 16, 2007

És GRANDE!!!!


A sensualidade...o charme... és grande, homem!!!

É por estas e por outras que odeio música portuguesa. Mas com os copos a coisa até parece que soa bem... ou não.

Marchas Populares

Faço minhas as palavras do meu camarada Tiago em relação às marchas deste ano. Quer dizer, não há dinheiro na autarquia para quem realmente investe o seu tempo e amor em manter a tradição alfacinha, mas depois há muitos euros para trazer a Daniela Mercury para cantar uma musiquinha nas marchas (!) populares.

domingo, junho 03, 2007

Eu sou de 82 e tu?

Mandaram-me este mail há pouco tempo e como achei interessante, resolvi deixar aqui postado para quem quiser ler. Digo-vos que vale a pena.


Nascidos antes de 1986.

De acordo com os reguladores e burocratas de hoje, todos nós que nascemos nos anos 60, 70 e princípios de 80, não devíamos ter sobrevivido até hoje, porque as nossas caminhas de bebé eram pintadas com cores bonitas, em tinta à base de chumbo que nós muitas vezes lambíamos e mordíamos.
- Não tínhamos frascos de medicamentos com tampas "à prova de crianças", ou fechos nos armários e podíamos brincar com as panelas.
- Quando andávamos de bicicleta, não usávamos capacetes.
- Quando éramos pequenos viajávamos em carros sem cintos e airbags, viajar á frente era um bónus.
- Bebíamos água da mangueira do jardim e não da garrafa e sabia bem.
- Comíamos batatas fritas, pão com manteiga e bebíamos gasosa com açúcar, mas nunca engordávamos porque estávamos sempre a brincar lá fora.
- Partilhávamos garrafas e copos com os amigos e nunca morremos disso.
- Passávamos horas a fazer carrinhos de rolamentose depois andávamos a grande velocidade pelo monte abaixo, para só depois nos lembrarmos que esquecemos de montar uns travões. Depois de acabarmos num silvado aprendíamos.
- Saíamos de casa de manhã e brincávamos o dia todo, desde que estivéssemos em casa antes de escurecer.
- Estávamos incontactáveis e ninguém se importava com isso.
- Não tínhamos PlayStation, X Box.
- Nada de 40 canais de televisão, filmes de vídeo, home cinema, telemóveis,
computadores, DVD, Chat na Internet.
- Tínhamos amigos - se os quiséssemos encontrar íamos á rua.
- Jogávamos ao elástico e à barra e a bola até doía!
- Caíamos das árvores, cortávamo-nos, e até partíamos ossosmas sempre sem
processos em tribunal.
- Havia lutas com punhos mas sem sermos processados. Batíamos ás portas de
vizinhos e fugíamos e tínhamos mesmo medo de sermos apanhados.
- Íamos a pé para casa dos amigos.
- Acreditem ou não íamos a pé para a escola; Não esperávamos que a mamã ou o papá nos levassem.
- Criávamos jogos com paus e bolas.
- Se infringíssemos a lei era impensável os nossos pais nos safarem. Eles
estavam do lado da lei.
- Esta geração produziu os melhores inventores e desenrascados de sempre.

Os últimos 50 anos têm sido uma explosão de inovação e ideias novas. Tínhamos liberdade, fracasso, sucesso e responsabilidade e aprendemos a
lidar com tudo.
És um deles?
Parabéns!


Para todos os outros que não têm idade suficiente pensei que gostassem de
ler acerca de nós.
Isto, meus amigos é surpreendentemente medonho... E talvez ponha um sorriso
nos vossos lábios.

- A maioria dos estudantes que estão hoje nas universidades nasceu em 1986.
- Chamam-se jovens.
- Nunca ouviram "we are the world" e uptown girl conhecem de westlife e não de Billy Joel.
- Nunca ouviram falar de Rick Astley, Banarama ou Belinda Carlisle.
- Para eles sempre houve uma Alemanha e um Vietname.
- A SIDA sempre existiu.
- Os CD's sempre existiram.
- O Michael Jackson sempre foi branco.
- Para eles o John Travolta sempre foi redondo e não conseguem imaginar que
aquele gordo fosse um dia um deus da dança.
- Acreditam que Missão impossível e Anjos de Charlie são filmes do ano passado.
- Não conseguem imaginar a vida sem computadores.
- Não acreditam que houve televisão a preto e branco.

Agora vamos ver se estamos a ficar velhos:

1. Entendes o que está escrito acima e sorris.
2. Precisas de dormir mais depois de uma noitada.
3. Os teus amigos estão casados ou a casar.
4. Surpreende-te ver crianças tão á vontade com computadores.
5. Abanas a cabeça ao ver adolescentes com telemóveis.
6. Lembras-te da Gabriela (a primeira vez).
7. Encontras amigos e falas dos bons velhos tempos.

SIM ESTÁS A FICAR VELHO heheheh , mas tivemos uma infância do caraças

sexta-feira, junho 01, 2007

Titulos

Titulo da página 10 do Destak da edição de hoje:


DIANA CHAVES NA FESTA DO LEITE


No dia da criança acho mesmo apropriado.

Já agora, gostei muito de ver as manas chaves na capa da Maxmen.