Translate

sexta-feira, dezembro 28, 2007

Serra da Estrela

No fim de semana passado fui até à Serra da Estrela com a familia do costume, irmãos, sobrinhos e cunhados à mistura.
A serra é dos pontos mais belos e fascinantes do país. Para além da neve, a paisagem é deslumbrante como podem constatar nas fotos que se encontram neste post. Deixo também um texto que explica bem o que é, afinal, o ponto mais alto de Portugal Continental.




A Serra da Estrela é a maior elevação de Portugal Continental, e a segunda maior em território da República Portuguesa (apenas o Pico, nos Açores, a supera). Tem 1993 metros de altitude e está situada entre os municípios de Seia e Covilhã.

A real altitude da serra da Estrela, no seu cume, a Torre, é de 1993 m, conforme rectificações introduzidas por medições realizadas pelo Instituto Geográfico do Exército, já surgidas em folha à escala 1:25.000 que editou em 1993 (folha de Seia). Assim, a altitude correntemente aceite de 1991 m, ainda muito divulgada, deve ser abandonada.


Julga-se que corresponda à elevação a que os tratadistas romanos da Antiguidade chamavam de Montes Hermínios (Herminius Mons), e ter sido o berço do guerreiro lusitano Viriato.

O ponto mais alto, a Torre, situa-se no concelho de Seia, distrito da Guarda. Também no concelho de Seia se situa a única estância de esqui de Portugal, desenvolvendo-se a mesma nas encostas da serra que pertencem à Freguesia de Loriga. As temperaturas mais baixas de Portugal são registadas no cume da Serra, com mínimas que atingem a marca de -20°C no Inverno.



Na Serra da Estrela situa-se o Parque Natural da Serra da Estrela.

O Queijo da Serra da Estrela, considerado um dos melhores queijos de Portugal, é produzido nesta região, que também possui uma raça de cães originária da localidade, o cão da Serra da Estrela.

Em relação ao turismo a atracção principal desta serra é sem dúvida a neve


1 comentário:

Peter disse...

Obrigado Marçal por nos dares a beber toda esta informação pertinente. Isto sim é serviço público, olarila.

P.S.- Eu e o Artur Agostinho somos, de facto, as únicas pessoas a poder usar a expressão "olarila" no fim das frases. Minto! Ele pode usar onde bem entender, até na lapela. Eu é que só posso mesmo no fim das frases...